Influenciadores na web: 5 dicas!
10 de junho de 2016
6 etapas para pesquisa de mercado
17 de junho de 2016
Ver todos

O Growth Hacking é uma nova forma de gestão focada, principalmente, no crescimento da empresa, seja em tamanho, vendas ou usuários.

O Growth Hacking tem esse nome porque é como uma variação da conhecida cultura Hacker. Por conta do uso dessa palavra com uma conotação negativa, o termo hacker é tido por algumas pessoas como alguém que realiza uma atividade ilegal na web, o que na verdade não é bem assim. O termo hacker significa um indivíduo que possui muita sede de conhecimento sobre algo específico e procura a inovação. Dentro dessa perspectiva, ele não se importa muito com regras. Ou seja, um hacker tem o objetivo de conhecer algo para poder modifica-lo. Por isso, na maioria dos casos, os hackers não se preocupam muito com a existência de barreiras que o impeçam de descobrir e modificar.

Com essa definição, podemos perceber que o Growth Hacking tende a ser uma coisa bem diferente do marketing tradicional a que nós estamos acostumados. Pois implica um entendimento muito maior do negócio com o que se está lidando e traz a inovação de forma muito forte.

Mas qual são as diferenças práticas entre um e outro?

O marketing mais tradicional é representado por um departamento que cuida da imagem da empresa e busca um aumento nas vendas através de campanhas e estratégias publicitárias. Muitas vezes, o objetivo desse departamento é exatamente impulsionar as vendas da empresa.

Já o Growth Hacking, como um elemento mais utilizado por startups, foca no crescimento acelerado das vendas ou do número de consumidores. Para isso, os profissionais dessa área tendem a utilizar ferramentas não tão tradicionais para alcançar os resultados estabelecidos, como produtos virais. Além disso, os Growth Hackers também não costumam fazer parte de um só departamento dentro da empresa. Pois as estratégias que implantam quase sempre são interdepartamentais. Então, além de no departamento de marketing, é muito importante que o Growth Hacking esteja presente nas áreas de desenvolvimento de produto, financeira e até mesmo gestão de pessoas. Afinal, no Growth Hacking sempre está a pergunta: “No que essa decisão tomada pode afetar o crescimento do negócio? ” E esse é o questionamento fundamental. Porque, quando o foco está somente nas estratégias de marketing, não se percebe quanto os outros departamentos podem estar afetando o crescimento do negócio, seja positivamente ou negativamente. Dessa forma, muitas boas oportunidades de melhoria podem estar sendo perdidas. Algumas vezes, apenas o bom desenvolvimento de um produto pode ser a chave para o sucesso da estratégia de crescimento da empresa. Em outras situações, é possível que a contratação de mão-de-obra muito qualificada seja o ponto mais determinante para um crescimento satisfatório. Isso você só consegue determinar quando todos esses pontos estão sendo analisados de forma conjunta.

Devo utilizar o Growth Hacking?

Apesar do Growth Hacking ser uma estratégia mais utilizada em startups, não existe nenhuma especificação de que não possa ser aplicada para os mais variados negócios.

Ainda assim, é mais comum vermos o Growth Hacking em empresas pequenas ou médias, devido à complexidade dos processos existente em empresas maiores. Provavelmente quando existem muitos processos delimitados e hierarquizados, é mais difícil a implantação de ferramentas de inovação que envolvam vários departamentos.

O Growth Hacking também é mais comum em empresas que já possuem um viés tecnológico bem marcado. Pois essas já têm uma predisposição a buscar a inovação nos processos. Então, nessas empresas, seria mais simples a implantação de uma estratégia de Growth Hacking.

E a sua empresa? Será que já está pronta para implantar algo assim?

Ficou com alguma dúvida? Tem alguma sugestão? Escreve aqui para a gente!

Para mais conteúdos como esse, nos siga no Facebook e Twitter!

Confira também os artigos sobre InfluenciadoresPodcasts.