Facebook lança ferramenta para que artigos sejam publicados diretamente no feed

5 etapas para o sucesso do marketing na internet
11 de maio de 2015
8 Dicas para criar conteúdo viral para sua marca
14 de maio de 2015
Ver todos

Em mais um enorme passo em seu plano de ser (ainda mais) a entidade dominante na internet, o Facebook revelou uma ferramenta chamada Instant Articles, voltada para que editores publiquem matérias interativas de maneira prática e rápida na rede social. É a proposta do Medium, mas inicialmente pensada para celulares e agora ancorada pela mastodôntica base de usuários do Facebook.facebook-paper-cover

A justificativa é de que muitas pessoas lêem notícias em dispositivos móveis, e o carregamento de artigos é, até o momento, a experiência mais lenta que alguém pode ter no Facebook. Em média, um link externo leva 8 segundos para ser exibido em um smartphone. Com o Instant Articles, o consumo desse tipo de conteúdo será dez vezes mais rápido.

Já para o editor de notícias, vem a possibilidade de publicar artigos formatados para telas móveis, personalizando com a identidade de marca. Incluindo zoom em fotos de alta resolução, auto-play de vídeos durante o scroll, inserção de trechos de áudio e comentários em partes individuais do texto.

Os editores poderão vender anúncios em seus artigos, ou então optar pela própria plataforma do Facebook para rentabilizar inventário ocioso. Além disso, estarão disponíveis ferramentas analíticas da audiência, incluindo comScore.

O Instant Articles conta inicialmente com nove parceiros de conteúdo: The New York Times, National Geographic, BuzzFeed, NBC, The Atlantic, The Guardian, BBC News, Spiegel e Bild.

É uma resposta ousada para a atual crise de identidade do jornalismo, dentro da velha máxima de que a informação tem que ir onde o leitor está. É bom para o Facebook pois mantém o usuário dentro da rede social, pode ser bom para os editores em termos de alcance e rentabilização. Só fica a linha fina entre o que pertence a quem. Essa simbiose entre publishers e Facebook, no futuro, acabaria com os sites de notícias?